Publicidade
Home  >  News Voltar

MB&FLegacy Machine No 1

04 de outubro de 2011
Louco, extremo, atrevido, sem limites! Estes são termos que bem podem descrever as máquinas futuristas da MB&F, mas tradicional, clássico... redondo?


Com um monumental balanço central, acabamentos superlativos do movimento, dois fusos horários totalmente independentes um do outro, indicação de reserva de marcha vertical totalmente única e caixa anular elegante, o Legacy Machine Nº1 (LM1) é um tributo ao grandes inovadores da relojoaria tradicional e, acima de tudo, uma autêntica máquina tridimensional da MB&F.



O Legacy Machine Nº1 foi criado quando Maximilian Büsser deu asas à sua fantasia: "O que aconteceria se eu tivesse nascido em 1867 em vez de 1967? No início do século XX surgiram os primeiros relógios de pulso e eu iria querer criar relógios tridimensionais para o pulso, mas ainda não existiam Grendizer, Guerra das Estrelas ou os modernos caças de combate que me inspiraram e estimularam a imaginação. No entanto, teria relógios de bolso, a torre Eiffel e Júlio Verne, pelo que tento imaginar como poderia se parecer a minha máquina de 1911. Teria de ser redonda e tridimensional: o Legacy Machine Nº1 foi a minha resposta".

Numa atitude de respeito à elevada qualidade dos relógios de bolso do século XIX, o LM1 destaca um balanço de grande diâmetro e oscilação serena (2,5 Hz) com curva terminal Breguet, suspenso a partir de um majestoso arco duplo. Associado a ele, um órgão regulador enigmático totalmente exposto, mas sem uma ligação aparente ao movimento. Tanto as horas como os minutos em cada um dos mostradores podem ser acertados de forma independente (a complicação de duplo fuso horário normalmente não permite um acerto independente dos minutos) e sua aparência reforça as referências visuais associadas ao período dourado da relojoaria (1780 - 1850).

Lembrando um sextante em miniatura, o primeiro indicador vertical de reserva de marcha do mundo mantém sob controle a energia disponível, ao mesmo tempo que proporciona um contraponto visual tridimensional em relação aos graciosos arcos que suportam o balanço.

Observando de cima o Legacy Machine Nº1, através da autêntica bolha cristalina que serve de cobertura à fantasia micromecânica que se apresenta abaixo, é fácil imaginarmos a cidade submarina "Atlantis" do Capitão Nemo de Júlio Verne.

O movimento transcendental do Legacy Machine Nº1 é testemunho do enorme talento dos seus criadores. Jean-François Mojon e sua equipe da Chronode (melhor relojoeiro no Grande Prêmio de Relojoaria de Genebra em 2010) assumiram o enorme desafio de desenvolver o calibre para o LM1 a partir de uma folha totalmente em branco, enquanto que o aclamado mestre independente Kari Voutilainen assumiu a responsabilidade pelo design estético e implementação de um respeito inquestionável pela tradição e acabamentos.

Côtes de Genève imaculadas, "chatons" em ouro altamente polidos e pontes com um chanfrado impecável que seguem ângulos internos deliberados (que não podem ser acabados à máquina) comprovam o excepcional nível de acabamento do movimento. Um grau de excelência que leva o movimento do Legacy Machine Nº1 a ostentar de forma clara o nome de ambos os seus criadores, sendo o primeiro calibre a inscrever o nome de Voutilainen, além dos da sua própria criação.

Com o Legacy Machine Nº1, a MB&F reinterpretou de forma extremamente criativa a relojoaria tradicional de excelência do século XIX, criando um objeto de arte contemporâneo e tridimensional. Um modelo que agora pertence a uma linha futura que acompanhará paralelamente as criações mais arrojadas e modernistas da MB&F representadas pelos HM1 a 4.
 
Kari Voutilainen, Maximilian Busser e Jean François Mojon

NotíciasRelacionadas

10 de outubro de 2017
19 de setembro de 2017

BRANDPARTNERS