Publicidade
Home  >  News Voltar

OmegaComo o Omega Speedmaster se tornou o Moonwatch

13 de maio de 2009
Em 2009 o mundo comemora os 40 anos da primeira alunissagem. Um dos mais importantes feitos científicos da história humana, é também um grande marco na história da Omega. Foi em 21 de Julho de 1969 que um modelo Speedmaster se tornou o primeiro relógio utilizado na Lua.


Os testes da NASA

A história de como o Omega Speedmaster se tornou o Moonwatch - o único relógio de pulso aprovado pela NASA para todas suas missões espaciais tripuladas - já foi contada tantas vezes e de tantos modos que às vezes se torna difícil precisar aonde termina a realidade e aonde começa o mito.

A história real, sem necessidade de adornos fantásticos, é tão assombrosa que vale a pena voltar aos anos 60 do século passado e reexaminar como o Speedmaster foi escolhido, a dureza dos testes a que este e outros cronógrafos de diferentes marcas foram expostos e, finalmente, como foi eleito entre seus competidores para acompanhar cada vôo espacial tripulado, desde março de 1965; embora antes já tivesse sido utilizado pelos astronautas em seus vôos, como sucedeu, por exemplo, com Gordon Cooper, na missão da nave Faith 7, em 15 e 16 de maio de 1963, dentro do programa Mercury.


Selecionado para competir

Tudo começou em 1961, quando dois empregados da NASA, incógnitos, visitaram várias relojoarias de Houston, incluindo Corrigan's, então a relojoaria-joalheria mais importante da cidade.

Os homens da NASA adquiriram cinco cronógrafos de diferentes marcas, com o objetivo, supõe-se, de descobrir qual era o melhor relógio para os astronautas no espaço exterior.

De fato, o programa espacial Mercury de vôos tripulados por um único astronauta estava quase encerrado (de fato, Wally Schirra já havia levado seu próprio Speedmaster no vôo Mercury de 3 de outubro de 1962) e a NASA preparava as missões Gemini (dois tripulantes) e Apolo (três). Planejava-se que os astronautas destas últimas missões sairiam ao espaço, fora da nave. Um dos componentes-chave de seu equipamento teria que ser um relógio que resistisse às duras condições do espaço.

Porque, a cada vez que um astronauta suspenso no vácuo espacial girasse seu pulso, o relógio seria exposto brusca e sucessivamente à sombra e aos raios não filtrados do sol, com choques térmicos superiores a 100° C. Na Lua, objetivo declarado do presidente Kennedy e da NASA, as condições seriam ainda mais duras: a temperatura na superfície lunar oscila entre -160° e +120° C.

Os cientistas da NASA conceberam uma serie de testes duríssimos, a fim de determinar qual relógio suportaria melhor os desafios extremos do espaço e se escolheram seis marcas de cronógrafo, três das quais foram imediatamente descartados; as outros três foram postas à prova - sendo dois cronógrafos iguais por marca. Destes, somente o Omega Speedmaster superou os altos níveis exigidos pela NASA. Mais de quarenta anos depois, o Omega Speedmaster seguiu acompanhando cada vôo espacial tripulado e segue sendo até hoje o único relógio que foi utilizado na Lua.

Ordenada cronologicamente, a história se desenrolou assim: em 29 de setembro de 1964, a NASA fez um pedido de dois Speedmaster, para "testes de avaliação", a um preço de 82,50 dólares por unidade. Os relógios teriam que ser entregues antes de 21 de outubro do mesmo ano, data de início dos citados testes.


As rotinas de avaliação

A NASA pôs em prática seus procedimentos de avaliação e definiu o caminho a seguir, com uma precisão mais do que minuciosa. Este conjunto de rotinas se chamou "Qualification Test Procedures" e pode ser resumido assim:


A - A cada relógio será dada corda pouco antes de cada teste.

B - O cronógrafo deverá ser acionado durante e entre cada teste individual. O teste de funcionamento do cronógrafo deverá ser repetido antes e após cada teste em intervalos de 2 horas, ou em caso de falha ao fim de 6 horas.

C - A precisão de marcha deve ser comprovada antes e depois de cada teste e, se for possível, a cada hora durante cada teste e em períodos iguais, não maiores que duas nem menores que seis horas, entre cada teste. Antes de cada fase de avaliação deve-se:

? Identificar o relógio.
? Anotar a hora oficial (em horas, minutos, segundos).
? Comparar simultaneamente a hora marcada pelo relógio a testar (horas, minutos, segundos).

Embora se controlasse a precisão durante cada teste, não deveria ser interrompida a medição cronográfica do tempo, mas dever-se-ia registrar o seguinte:

? Identificar o relógio.
? Anotar a hora oficial (em horas, minutos, segundos).
? Comparar simultaneamente a hora que indica o relógio controlado (horas, minutos, segundos).
? Registrar o grau de erro do cronógrafo (horas, minutos, segundos).

D - Em cada controle de precisão deve-se comprovar também que a caixa, o cristal, o mostrador, os ponteiros e os pulsadores não tenham sofrido nenhum dano e que não haja rastros de umidade abaixo do cristal. Toda anomalia deve ser registrada.

E - Se o relógio testado apresentar alguma das seguintes anomalias, deve ser excluído do procedimento de avaliação:

? O relógio parou e não pode ser colocado em marcha novamente.
? A função de cronógrafo parou e não pode ser colocado em marcha novamente.
? O relógio pôde ser posto em marcha, mas parou pela segunda vez.
? O cristal rachar ou se partir.
? A haste da coroa ou algum dos pulsadores do cronógrafo se quebrou.


Onze para as três

As três marcas (seis cronógrafos) que haviam passado a fase de pré-seleção teriam que enfrentar-se em onze testes diferentes: as mais rigorosas e duras provas da história da relojoaria.

1. Alta temperatura
48 horas a uma temperatura de 71° C, seguidas de 30 minutos a 93° C. Isto, sob uma pressão de 5,5 psia (libras por polegada quadrada absoluta = 0,35 atm) e uma umidade do ar relativa não superior a 15%.

2. Baixa temperatura
4 horas a uma temperatura de -18° C.

3. Temperatura - Pressão
Na câmara de pressão, a um máximo de 1,47 x 10-5 psia (10-6 atm), os relógios teriam de suportar primeiro uma temperatura de 71° C durante 45 minutos e, depois, uma temperatura de -18°C durante outros 45 minutos, para passar de novo a 71° C por 45 minutos mais. Este teste se repetiria outras quinze vezes.

4. Umidade relativa
240 horas a una temperatura que oscila entre os 20° C e os 71° C, com uma umidade relativa de, ao menos, 95%. O pH do vapor de água deve situar-se entre 6,5 e 7,5.

5. Atmosfera saturada de oxigênio
O relógio em teste permanecerá, durante 48 horas, em uma atmosfera de oxigênio puro, 100%, a uma temperatura de 71° C e uma pressão de 5,5 psia (0,35 atm). O funcionamento abaixo dos limites especificados ou fora das margens de tolerância, a presença de queimaduras, a formação de gases tóxicos, o desprendimento de odores acres ou a deterioração das juntas ou lubrificantes significam que o relógio fracassou no teste.

6. Impacto
6 impactos de 40 g (40 vezes a força gravitacional), com uma duração de 11 milissegundos cada um e em 6 direções diferentes.

7. Aceleração
Linear de 1 a 7,25 g en 333 segundos, ao longo de um eixo paralelo ao eixo longitudinal do veículo espacial.

8. Descompressão
No vácuo: 1,47 x 10-5 psia (10-6 atm), 90 minutos a uma temperatura de 71°C e 30 minutos a 93°C.

9. Alta pressão
Pressão de 23,5 psia (1,6 atm) durante 60 minutos no mínimo.

10. Vibrações
3 ciclos de 30 minutos (obliquamente, horizontalmente e verticalmente). A frequencia variará entre 5 e 2000 Hz e voltará a 5 Hz em 15 minutos. A aceleração média por impulso deverá ser, ao menos, de 8,8 g.

11. Ruído
130 decibéis em uma banda de frequencia situada entre os 40 e os 10.000 Hz, durante 30 minutos.


Os resultados

Por um comunicado datado de 1° de março de 1965 se conheceu o resultado dos testes. Entre as três marcas de cronógrafos concorrentes, um cronógrafo falhou por duas vezes no teste de umidade relativa, antes de parar definitivamente durante o teste de alta temperatura, já que o segundeiro central se havia retorcido e enroscado nos outros ponteiros. A marca foi eliminada.

O cristal de outro cronógrafo, de diferente marca, se deformou e saltou do aro, durante o teste de alta temperatura. Ao segundo da mesma marca que o anterior ocorreu o mesmo durante o teste de descompressão. A marca foi eliminada.

Somente o Omega Speedmaster superou todos os testes. A NASA divulgou assim a notícia: "Foram realizados os testes de funcionamento e de ambientação espacial dos três cronógrafos selecionados; como resultado, os cronógrafos Omega foram calibrados e entregues a três membros das tripulações GT-3 (Gemini Titan III)".

Esta frase, tão comedida e sóbria, era, de fato, a declaração oficial de que, daquele momento em diante, o Omega Speedmaster seria o único relógio atestado para todos os vôos espaciais tripulados e se converteria em uma parte irrenunciável do legado da Omega. O mesmo comunicado afirmava também: "Os resultados das avaliações operacionais por parte dos astronautas mostram uma preferência unânime pelo cronógrafo Omega com respeito às outras duas marcas, devido à sua maior precisão, fiabilidade, legibilidade e facilidade de manejo".

Una irônica nota final: a Omega somente se inteirou das andanças espaciais do Speedmaster, ao reconhecê-lo em uma fotografia de Ed White tirada durante o primeiro passeio espacial norte-americano, como parte da missão Gemini IV, em junho de 1965. A empresa pediu confirmação à NASA, confirmação que recebeu quase um ano mais tarde, em abril de 1966.
 
Exemplares do Moonwatch exibidos no Museu Omega (Foto por César Rovel)
Um Moonwatch em versão moderna, calibre 1863

BRANDPARTNERS